quinta-feira, 4 de novembro de 2010

SINTONIA


Sintonia é a identidade ou harmonia vibratória, isto é, o grau de semelhança das emissões ou radiações mentais de dois ou mais espíritos, encarnados ou desencarnados, ou seja, afinidade moral. A comunicação interespiritual é controlada pelo grau de sintonia, a qual a seu turno, decorre da afinidade moral. Temos, por isso, a companhia espiritual que desejamos mediante o nosso comportamento, sentimentos, pensamentos e aspirações. Estão ao nosso redor aqueles que sintonizam conosco.

Eu a cada dia me apavoro com tamnaha sintonia que hoje em dia tenho com certas pessoas. Em especial com uma amiga, irmã de fé camarada, que mesmo  morando à quilômetros de distância a cada dia me parece estar mais perto. Essa sintonia tabém se dá nas crianças e nos cães, é mesmo incrível.

O pensamento cria a imagem e a cena inteira é pintada, como num quadro, tal qual se lhe desenrola. Desse modo é que os mais secretos movimentos da alma repercutem no envoltório fluídico; que uma alma pode ler noutra alma como num livro e ver o que não é perceptível aos olhos do corpo. Contudo, vendo a intenção, pode ela pressentir a execução do ato que lhe será a consequência, mas não pode determinar o instante em que o mesmo ato será executado, nem lhe assinalar os pormenores, nem, ainda, afirmar que ele se dê, porque circunstâncias ulteriores poderão modificar os planos assentados e mudar as disposições.

Ele não pode ver o que ainda não esteja no pensamento do outro; o que vê é a preocupação habitual do indivíduo, seus desejos, seus projetos, seus desígnios bons ou maus. O trabalho, qualquer que seja ele, físico ou intelectual, aparece como o primeiro recurso no combate à insurgência de pensamentos deprimentes.

Logo, vem a boa leitura, a música harmoniosa, a conversa que edifica, e sobretudo a prece que nos liga com o Criador, facultando-nos força, otimismo e coragem para enfrentar as dificuldades que criamos.

Sendo assim sintonize essa idéia todos os domingos das 09:00hs as 10:30 pelas ondas livres da RádioCom 104.5 FM no programa "Fortalece Aí- Alcool e Drogras um mega problema social" ouça ao vivo- www.radiocom.org.br

"Não se deixe levar, saia do ar, subverta!"

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Despertar para vida




"Deus ajuda-nos quando nos ajudamos uns aos outros." 

A nossa adicção levou-nos a pensar quase exclusivamente em nós próprios. Mesmo as nossas orações - se é que alguma vez rezámos - eram centradas em nós. Pedíamos a Deus que nos arranjasse coisas, ou que nos livrasse de problemas. Porquê? Porque não queríamos viver com os problemas que nós próprios criávamos. Sentíamo-nos inseguros. Julgávamos que o importante na vida era receber, e queríamos sempre mais. Em recuperação recebemos de facto mais - mais do que apenas não usar. O despertar espiritual que experimentamos ao praticar os Doze Passos revela-nos uma vida que nunca julgáramos possível. Não precisamos mais de nos preocupar se teremos o "suficiente", pois viemos a confiar num Poder Superior amantíssimo que vai ao encontro de todas as nossas necessidades diárias. Aliviados da nossa incessante insegurança, não vemos mais o mundo como um local onde competimos com os outros para a realização dos nossos desejos. Em vez disso, vemos o mundo como um local onde viver o amor que o nosso Poder Superior nos mostrou. As nossas orações não são para gratificação imediata; são para nos ajudar a ajudarmo-nos uns aos outros. A recuperação desperta-nos do pesadelo do egocentrismo, do conflito e da insegurança, que estão no centro da nossa doença. Despertamos para uma nova realidade: tudo aquilo que vale a pena ter só pode ser mantido se for partilhado. 

Só por hoje: O meu Deus ajuda-me à medida que eu ajudo outros. Hoje vou procurar ajuda para partilhar o amor que o meu Poder Superior me deu, sabendo que essa é a forma de preservá-lo

Fonte: Texto Básico, p. 60 

domingo, 24 de outubro de 2010

Coisas que George Carlin falou e eu queria ter falado:

“Nós bebemos demais, fumamos demais, gastamos sem critérios, dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e rezamos raramente.

Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores. Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente. Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.

Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.

Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores.

Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos.

Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.

Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos menos.

Estamos na era do ‘fast-food’ e da digestão lenta; do homem grande de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.

Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados.

Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas “mágicas”.

Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa.

Uma era que leva essa carta a você, e uma era que te permite dividir essa reflexão ou simplesmente clicar ‘delete’.”

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Luz da escuridão



A luz que ilumina toda jornada vem de dentro. É preciso matar vários leões no dia, ter rendição as coisas mundanas, evitar pessoas, lugares e velhos hábitos e também seguir o programa com honestidade, muito boa vontade e mente aberta.


Só assim é que se consegue viver o programa das 24hs. Um companheiro em uma conversa paralela entre um desabafo e outro certa fez me falou: "A gente dorme em recuperação e acorda doente...", " ...difícil não é parar de usar e sim manter-se limpo." , "...viver em recuperação é fácil, brabo é viver uma vida de adulto.".


"A amizade é um dom do amor de Deus. 
Surge sem escolha e, muitas vezes, une pessoas completamente diferentes. 
Quem ama respeita, compreende e admira o que há de diferente e especial no outro. 
Amizade verdadeira não sufoca, não oprime, amizade de verdade constrói, potencializa, engrandece.
Apesar dos nossos defeitos, precisamos enxergar que somos pérolas únicas no teatro da vida e entender que não existem pessoas de sucesso e pessoas fracassadas. 
O que existem são pessoas que lutam pelos seus sonhos ou pessoas que desistem deles."


Lembre-se de que a unica pessoa pessoa que pode derrubar você é você mesmo. Bons momentos e muita luz de vida e saúde!

sábado, 11 de setembro de 2010

Dobrar com o vento

























































"Aprendemos a tornar-nos flexíveis ... À medida que novas coisas são reveladas, sentimo-nos renovados." Texto Básico, p. 113


A palavra "flexibilidade" não fazia parte do nosso vocabulário quando usávamos. Tínhamo-nos tornado obcecados com o prazer cru das nossas drogas, fechando-nos aos prazeres mais doces, subtis, e infinitamente mais variados, do mundo à nossa volta.

A nossa doença tinha tornado a própria vida numa ameaça constante de prisões, instituições, e morte, uma ameaça que nos fazia endurecer ainda mais. No fim tornámo-nos frágeis. Bastou o mais pequeno sopro do vento da vida para que acabássemos por ruir, quebrados, derrotados, sem escolha senão rendermo-nos.

Mas a maravilhosa ironia da recuperação é que, na nossa rendição, encontrámos a flexibilidade que havíamos perdido na nossa adicção, e cuja falta nos havia derrotado. Recuperámos a capacidade para dobrar perante os ventos da vida sem quebrar.

Quando o vento soprava, sentíamos a sua doce carícia de encontro à pele, onde antes teríamos endurecido como se estivéssemos a ser fustigados por uma tempestade. Os ventos da vida sopram na nossa direcção a cada momento, e com eles novas fragrâncias, novos prazeres, variados, subtilmente diferentes.

Quando dobramos com o vento da vida, sentimos, ouvimos, tocamos, cheiramos e saboreamos tudo o que ela tem para nos dar. E à medida que novos ventos sopram, sentimo-nos renovados.
Só por hoje: Poder Superior, ajuda-me a dobrar com o vento da vida e ganhar valor com a sua passagem. Liberta-me da rigidez.
"

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Nunca desista

A caminhada é difícil
Depois de longos e duros 16 anos enfraquecido, num caminho sem volta encontrei uma saída: "a vida".Foi quando vi que tinha perdido toda a alegria e a noção da hora de chegar. Notei que era hora de partir para uma melhor, mas para isso precisava parar apenas. Uma decisão que nada mais é do que a conversão das informações em ação, assim sendo, a ação tomada com base na apreciação de informações. Decidi recomendar entre vários caminhos alternativos que me levaram a um determinado resultado.

Esse caminho trilhado foi duro e árduo, porém, gratificante, válido e muito pertinente. Me trouxe novos horizontes com milhares razões de querer realmente viver. Para isso foi preciso escutar e acreditar "que um outro mundo era possível" e dar o primeiro passo que foi a rendição. Pedi ajuda para as pessoas que não só sempre me ajudaram, e que também todos dias me perguntavam: "Tem certeza que você não quer ajuda?".

Minha prepotência, arrogância, total falência mental, física e espiritual me levavam sempre a mesma resposta: "Não eu estou bem. Consigo sozinho e sei me controlar... ". O que era totalmente mentira pois eu não aceitava que realmente precisava de ajuda pois tinha perdido o controle e o domínio da minha vida.

Após alguns meses, isolado do "mundão mundano", trabalhando com regras, oração e disciplina pude refletir que o problema era bem maior do que eu podia imaginar: "descobri que eu sou portador de uma doença chamada - Adicção".

"Descobri que minha obsessão por cada coisa em seu lugar, cada assunto em seu tempo, cada palavra em seu estilo, não era o prêmio merecido de uma mente em ordem, mas, pelo contrário, todo um sistema de simulação inventado por mim para ocultar a desordem de minha natureza. Descobri que não sou disciplinado por virtude, e sim como reação contra a minha negligência; que pareço generoso para encobrir minha mesquinhez, que me faço passar por prudente quando na verdade sou desconfiado e sempre penso o pior, que sou conciliador para não sucumbir às minhas cóleras reprimidas, que só sou pontual para que ninguém saiba como pouco me importa o tempo alheio. Descobri, enfim, que o amor não é um estado da alma..."
(Memórias de Minhas Putas Tristes - Pg. 74)
Gabriel García Márquez

Aprendi que só por hoje irei avançar no trajecto da minha recuperação dando um passo em frente e nada mais!